quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Kurt Cobain: Morre um rock star... Nasce um ídolo!



Projetos (Photoshop)






Quer 1 igual pra você?
Então, me escreva: dias.prd@gmail.com

Kurt Donald Cobain (Aberdeen20 de Fevereiro de 1967 — Seattle5 de Abril de 1994) foi um cantorcompositor e músicoestadunidense, mais conhecido como o vocalista e guitarrista da banda de grunge Nirvana.
Com o single "Smells Like Teen Spirit" do segundo álbum do Nirvana, Nevermind (1991), o Nirvana encontrou o sucesso, popularizando um subgênero do rock alternativo chamado grunge. Outras bandas grunge de Seattle, como Alice in ChainsPearl Jam e Soundgardenganharam também um vasto público e, como resultado, o rock alternativo tornou-se um gênero dominante no rádio e na televisão nosEstados Unidos do início à metade da década de 1990. O Nirvana foi considerada a banda "carro-chefe da Geração X", e seu vocalista, Kurt Cobain, viu-se com ungido pela mídia como porta-voz da geração, mesmo contra sua vontade. Cobain estava desconfortável com a atenção que recebeu, e colocou seu foco na música da banda, acreditando que a mensagem da banda e sua visão artística tinham sido mal-interpretadas pelo público, desafiando a audiência da banda com o seu terceiro álbum In Utero (1993).
Durante os últimos anos de sua vida, Cobain lutou contra o vício em heroína, doenças, depressão, fama e imagem pública, bem como as pressões ao longo da vida profissional e pessoal em torno a si mesmo e de sua esposa, a cantora Courtney Love. Em 8 de abril de 1994, três dias depois de sua morte, Cobain foi encontrado morto em sua casa em Seattle, vítima do que foi oficialmente considerado umsuicídio por um tiro de espingarda na cabeça. As circunstâncias de sua morte, por vezes, tornam-se um tema de fascínio e debate. Desde sua estréia, o Nirvana, com Cobain como compositor, vendeu mais de 25 milhões de álbuns nos Estados Unidos, e mais de 50 milhões em todo o mundo.

morte de Kurt Cobain ocorreu no dia 8 de abril de 1994, quando o líder e vocalista da banda Nirvana foi encontrado morto em sua casa, localizada na Lake Washington Boulevard, 171, em SeattleWashingtonEstados Unidos.
O relatório do Departamento de Polícia de Seattle sobre o incidente declara que Kurt Cobain foi encontrado com uma espingarda ao lado do seu corpo, que ele tinha um ferimento vísivel na cabeça e que havia uma nota de suicídio descoberta próxima a ele.
Apesar da sentença oficial, várias teorias surgiram oferecendo explicações alternativas para a morte de Cobain. Tom Grant, um investigador particular contratado por Courtney Love, esposa de Cobain, para encontrar Cobain após a sua saída da reabilitação, estendeu sua crença de que Cobain foi assassinado. A teoria de Grant já foi analisada e questionada por programas de televisão, filmes e livros. Os autores e os cineastas também tentaram explicar o que poderia ter acontecido durante os últimos dias de Cobain, e o que poderia tê-lo levado ao suicídio.
Depois da morte Cobain, Love afirmou a Rolling Stone que Cobain já teria tentado suícidio outras vezes. Em uma turnê pela Europa com a banda, em Roma, na Itália, o guitarrista e vocalista também teria tentado se matar.[1]

Em 8 de abril de 1994 o corpo de Kurt foi descoberto em uma sala separada acima da garagem na sua casa perto do Lago Washington, em Seattle, nos Estados Unidos, por Gary Smith, um funcionário da Veca Electric, que foi até a casa pela manhã para instalar um sistema de luzes de segurança; ele também achou o que podia ser uma nota de suicídio com uma caneta gravada nela, embaixo de um vazo de flores virado. Uma espingarda, que Kurt havia comprado de Dylan Carlson estava em seu peito.[2] Antes de morrer ele estava escutando o álbum Automatic for the People, da banda americana R.E.M.[]



Descoberta do corpo de Cobain

atestado de óbito apontava uma "perfuração de espingarda na cabeça", o que levou a conclusão que teria sido um suicídio; o atestado também apontava que a morte tinha ocorrido em 5 de abril de 1994

[]Teorias

[]Suícidio

Defensores do veredicto (morte por tiro disparado pelo próprio Kurt) cita o vício de Cobain em drogas, depressão clínica, e nota de suicídio escrita à mão como prova conclusiva.Membros da família de Cobain também observaram padrões de depressão e instabilidade em Kurt antes que ele alcançou a fama. Cobain mencionou que tinha dores em seu estômago dores um problema estomacal não diagnosticada durante a turnê na Europa do Nirvana em 1991 europeus eram tão graves, ele tornou-se suicida e declarou que tomar heroína foi "[sua] escolha", declarando"Esta é a única coisa que está me salvando de fundir minha cabeça agora."[3]
Prima de Cobain, Beverly, uma enfermeira, apontou que havia uma história familiar de suicídio.Por sua conta, dois de seus tios cometeram suicídio com armas. Beverly também foi da opinião de que havia um histórico de doença mental em Kurt, alegando que ele foi diagnosticado como um jovem com déficit de atenção e hiperatividade e como um adulto comtranstorno bipolar. Beverly alegou que o transtorno bipolar e suas lutas com o vício de drogas o levou a cometer suicídio.[4]
Em Charles Cross's Heavier than Heaven, seu colega Krist Novoselic falou sobre ver Cobain nos dias antes da intervenção: "Ele estava realmente quieto. Ele estava apenas afastado de todos os seus relacionamentos. Ele não estava se conectando com ninguém."[5] Uma oferta para comprar um bom jantar para Cobain resultou em Novoselic ter levado-o involuntariamente heroína. "Seu revendedor estava lá. Ele queria ficar fodido no esquecimento. ... Ele queria morrer, que é o que ele queria fazer."[6] Em seu próprio livro, Of Grunge and Government: Let's Fix This Broken Democracy, Novoselic fez alusão a circunstâncias da morte de Cobain:"Tragicamente, [Cobain] escolheu a maneira errada de se demitir do cargo que foi levado."[7]

[]Richard Lee

O primeiro a publicamente objeto para o relatório de suicídio foi Seattle anfitrião acesso público Richard Lee. Uma semana depois da morte de Cobain, Lee foi ao ar o primeiro episódio de uma série contínua cobrindo a morte de Cobain chamada...Kurt Cobain Was Murdered. Lee alegou várias discrepâncias nos relatórios da polícia, incluindo várias mudanças na natureza do tiro de espingarda. Leea dquiriu um vídeo que foi gravado em 8 de abril da árvore fora da garagem de Cobain, que mostra a cena em torno do corpo de Cobain, Lee afirmou que mostraram uma marcada ausência de sangue para o que foi relatado como um tiro de espingarda à queima-roupa na cabeça (vários patologias especialistas notaram que um tiro de espingarda dentro da boca muitas vezes resulta em menos sangue, ao contrário de um tiro de espingarda na cabeça).[8]

[]Tom Grant

O principal proponente da existência de uma conspiração em torno da morte de Cobain é Tom Grant, um investigador particular empregado por Courtney Love após o desaparecimento de Cobain da reabilitação.Grant ainda estava empregado por Love quando o corpo de Cobain foi encontrado. Grant acredita que a morte de Cobain era um homicídio.
Existem vários componentes-chave para a teoria de Grant:

[]Cartão de crédito

Love disse a Grant para cancelar o cartão de crédito de seu marido, a fim de descobrir onde ele estava e trazê-lo de volta para a reabilitação. No entanto, Grant não entendia por que ela iria querer cancelar o cartão de crédito, porque seria mais fácil de localizá-lo se ele ainda estava ativo. Depois da morte de Cobain, relatórios de seu cartão de crédito mostraram que uma pessoa tentou usar seu cartão de crédito após sua morte.

[]Níveis de heroína na corrente sanguínea

O nível de heroína no sangue do Kurt era de 1.52 mgs por litro. Três vezes uma dose letal, mesmo para um extremamente grande viciado em heroina.[9] Grant argumenta que Cobain não poderia ter injetado-se com tal dose e ainda ter sido capaz de puxar o gatilho.[10]
No entanto, vários estudos sobre o uso de heroína têm notado a dificuldade em identificar o nível de heroína que um adicto pode tolerar. Em uma história de 2004, Dateline NBCquestionou cinco médicos legistas sobre a figura do relatório de toxicologia. Duas delas notou a possibilidade de que Cobain poderia ter construído o suficiente de uma tolerância com o uso repetido de ter sido capaz de puxar o gatilho si mesmo, enquanto os outros três detidos que a informação não foi conclusiva.[11]
Grant não acredita que Cobain foi morto pela dose de heroína. Ele sugere que a heroína foi usado para incapacitar Cobain antes do tiro de espingarda final foi administrado pelo agressor.[12]

[]Nota de suicídio

Enquanto trabalhava para Love, Grant teve acesso ao bilhete suicida de Cobain, e usou sua máquina de fax para fazer uma fotocópia, que desde então tem sido amplamente distribuídos.
Depois de estudar a nota, Grant acreditava que era realmente uma carta escrita por Cobain que anunciava sua intenção de deixar Courtney Love (a quem ele se refere como "uma deusa de uma mulher"), Seattle, e o negócio da música. Grant afirmou que as poucas linhas na parte inferior da nota, separado do resto, são as únicas partes que implica suicídio. Enquanto o relatório oficial sobre a morte de Cobain concluiu que Cobain escreveu a nota, Grant alega que o relatório oficial não distingue as linhas questionável do resto da nota, e simplesmente tira a conclusão da outra parte da nota.
Grant alega ter consultado peritos em caligrafia que apóiam sua afirmação. Outros especialistas discordam, no entanto. Quando Dateline NBC enviou uma cópia da nota a quatro peritos em caligrafia diferente, concluiu-se que a nota inteira foi na mão de Cobain, enquanto os outros três, disse a amostra não foi conclusiva.[11] Um especialista contactado pela série de televisão Unsolved Mysteries observou a dificuldade de se chegar a uma conclusão, dado que a nota sendo estudada foi uma fotocópia, não a original.

Fontes (YouTube / Wikipédia).

3 comentários:

larissammoraes disse...

OMG, quanto custa? sem incluir frete, caso eu possa escolher o tipo de envio. =D lindo

will_markebra disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Pati Dias disse...

Larissa, me envie um email (dias.prd@gmail.com) e te passo os detalhes como $$ e prazo de entrega.

Postar um comentário

Agradeço sua visita! Não vá embora sem deixar seu comentário...